ricardo_3

Vernissage de Ricardo Martins acontece em São José

Reprodução

Mesmo quando muito jovem para operar uma câmera, Ricardo Martins já fotografava, com a mente, os cenários do Pantanal, terra de seu pai. Seus olhos de criança já buscavam pontos de vista diferenciados e registravam todas as possibilidades e riquezas da fauna, flora e das paisagens, com suas cores, formas e movimentos.  

O movimento, aliás, se tornou uma característica forte nas obras exibidas pelo fotógrafo, que hoje tem 36 anos, seis livros publicados e muitas histórias pra contar. Ele quebra toda barreira estática que uma fotografia poderia ter ao utilizar diferentes técnicas para capturar através das lentes momentos que mostram riquezas naturais, cultura e história.

Foi assim que ele retratou de forma única toda “A Riqueza de um Vale”, título de seu segundo livro e com o qual recebeu prêmio na categoria fotografia no 54ª Prêmio Jabuti 2012, e também desbravou as belezas e urgências da serra da Mantiqueira em sua sexta obra, a “Amantikir, a Serra que chora”, lançado em 2015. Desses dois livros, quinze imagens foram selecionadas e serão exibidas a partir desta quinta (14) em um vernissage realizado pelo Yazigi, que ficará em exibição até dia 26 de abril na escola do Jardim Esplanada.

“Essas fotografias mostram a beleza da nossa região. A gente nunca olha para o nosso quintal, mas durante a produção dessas imagens pude perceber a beleza e a riqueza do Vale do Paraíba, seja pelo lado histórico e cultural, mas também pela beleza natural e pelos animais, alguns raros, como o muriqui, o maior primata das Américas e que está ameaçado de extinção, mas que nós temos aqui”, diz.

Novos projetos

Formado em jornalismo pela Univap, Ricardo é também fundador da editora Kongo. Seu próximo projeto também será sobre a serra da Mantiqueira, mas desta vez com um olhar voltado às pessoas. O projeto já está aprovado pelo ProAC – programa de Ação Cultural e agora busca empresas que querem ser parceiras por meio da ação de incentivo.