20140504_construcao_civil_obras_flavio_pereira_6

Construção Civil registrou 234 demissões na RMVale em novembro de 2016

Flavio Pereira/Meon

O ano de 2016 foi complicado economicamente para diversas áreas e para o setor da Construção Civil as mudanças no cenário nacional afetaram diretamente no fechamento de postos de trabalhos. Cinco cidades da RMVale demitiram 234 funcionários do ramo em novembro.

De acordo com o SindusCon-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo), uma pesquisa realizada em parceria com a Fundação Getúlio Vargas apresentou números negativos no setor nos últimos meses do ano. "O que aconteceu é reflexo da situação econômica que o país passa, não é regional", relata o diretor regional do sindicato, Mário Cezar de Barros.

A pesquisa aponta que São José dos Campos teve o maior numero de demissões, totalizando 144 postos fechados; outras cidades avaliadas foram Taubaté com 52 demissões, Caraguatatuba fechou 22 posto de trabalho, Pindamonhangaba registrou 14 desligamentos e Campos do Jordão apontou 2 demissões.

Porém, algumas cidades estão conseguindo sobreviver nessa crise e seguem na contramão. A analise do sindicato apresentou que Guaratinguetá e Jacareí somam 38 novos trabalhadores contratados.

"Para o sindicato, as demissões já chegaram no menor nível possível e agora vai começar o cenário de recuperação. Esse período de demissões começou em meados de 2015 e acredito que o setor vai se redefinir até 2018", explica Barros.

Em todo o Estado de São Paulo, o setor apresentou uma queda de 1,77%, totalizando em novembro 694,6 mil trabalhadores contratados, uma queda de 6.351 vagas em relação ao mês anterior. O setor na RMVale encerrou o ano com 24.667 trabalhadores formais contratados.

O diretor regional do SindusCon-SP afirma estar confiante com a melhora econômica do país e confia no crescimento do setor. "O pior já passou, estamos no compasso de espera da recuperação do setor. Se tiver confiança jurídica na recuperação da geração de renda pra comprar, o setor volta a construir e abrir novos empregos. É um ciclo positivo e de otimismo", completa.