Falta menos de um mês para o início da Copa do Mundo 2014, mas empresários da rede hoteleira de São José dos Campos ainda não têm o que comemorar. Depois da cidade ser preterida como subsede durante os jogos, a esperança de pelo menos receber o número excedente de turistas da capital paulista também está cada vez mais distante.

Vamos apostar nos turistas que querem fugir do agito, violência e preços altos da capital paulista durante os jogos

Antonio Ferreirapres. Sinhores S. José

O Plano B dos empresários começou a ser frustrado depois de representantes de hotéis de São Paulo declararem que a cidade irá absorver toda a demanda de turistas durante o torneio. O anúncio caiu como um balde de água fria nas pretensões já limitadas de hotéis e restaurantes de São José dos Campos.

De acordo com o presidente do Sinhores (Sindicato de Restaurantes Hotéis Bares e Similares) de São José, Antonio Ferreira Junior, a expectativa agora é partir para uma espécie de plano C. Nesse panorama, vai restar apelar para outros atrativos da cidade.

“Alguns fatores ainda podem nos favorecer. São José tem condições de abrigar quem quer fugir do tumulto da capital. A cidade também conta com diárias muito mais baratas do que São Paulo e ainda é mais segura. Com isso dá para ficar um pouco mais otimista”, explica.

Outra notícia que pode animar os trabalhadores da rede hoteleira é a possibilidade da imprensa internacional ficar hospedada em São José dos Campos. O presidente destaca as condições de mobilidade da cidade como principal vantagem para a vinda dos jornalistas.

“Para que essa questão se transforme em realidade, acho importante apostar na facilidade que São José apresenta para o deslocamento às capitais que vão sediar jogos da Copa”, comenta.

O diretor da Federação de Hotéis no Estado de São Paulo, Maurício Bernardino, da capital paulista, ainda aponta mais uma saída para São José. De acordo com o empresário, os dias de jogos podem ser críticos para a rede hoteleira de São Paulo. E essas são as datas que os estabelecimentos de São José dos Campos podem se beneficiar.

“As grandes redes, como a Accor, por exemplo, podem transferir hóspedes para outras unidades do Estado, principalmente São José dos Campos, que é uma cidade com mobilidade e estrutura para receber os turistas”, explica.

Decepção
Mesmo com as novas possibilidades, há menos de um mês do evento o setor esperava ter mais motivos para comemorar. “A sensação não é nada boa. Realmente imaginávamos contar com mais reservas a esta altura do campeonato. A derrota na escolha como subsede foi um golpe duro para os empresários do setor”, lamenta Ferreira Junior.