pq_tecnologico

Evento ocorreu na tarde desta terça-feira, no Parque Tecnológico, em São José

Pedro Ivo / Meon

O Parque Tecnológico de São José inaugurou, na manhã desta terça-feira (14), o novo centro empresarial. É o quarto na área do complexo, que fica na zona leste da cidade. O investimento total foi de R$ 15 milhões. A Finep (Financiadora de Estudos e Projetos) financiou R$ 12,5 milhões. Os R$ 2,5 mi restantes foram pagos com fundos do próprio Parque.

O novo centro abriga a sede do Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais), que se mudará de vez para a cidade, um polo da Univesp (Universidade Virtual do Estado de São Paulo), além de empresas com foco em tecnologia e inovação.

De acordo com o diretor geral do Parque Tecnológico, Marco Antônio Raupp, 30 empresas deverão se instalar na unidade, o que, de acordo com ele, significa cerca de 500 novos empregos diretos.

O novo espaço tem 9,8 mil metros quadrados. Somando os outros três centros do parque, mais o Cecompi (Centro para a Competitividade e Inovação do Cone Leste Paulista), o complexo é o maior do país na área de inovação e tecnologia.

“As empresas inovadoras empregam profissionais com alta formação, pagam salários acima da média, investem mais em treinamento e capacitação, além de reter os talentos e apresentarem menores índices de rotatividade”, explica Raupp.

Economia 4.0

Para o prefeito Felicio Ramuth (PSDB), o novo complexo aumenta a contribuição da cidade para a chamada indústria 4.0, que facilita a visão das ‘fábricas inteligentes’, tida como a nova revolução industrial.

“Grandes empresas trabalham aqui para revolucionar processos em médio e longo prazo. Esta é uma mudança alinhada com o futuro da economia. E esse tripé se completa com as universidades que aqui se encontram”, afirma.

Esta é uma mudança alinhada com o futuro da economia. E esse tripé se completa com as universidades que aqui se encontram”

Felício Ramuth (PSDB)Prefeito de SJC

O secretário executivo adjunto do Ministério de Ciência e Tecnologia Inovações e Comunicações, Alfonso Orlandi Neto, também acredita que a expansão do parque significa um passo para alavancar a cidade em uma nova economia.

“É um complexo que trabalha com as pessoas desde a formação até sua entrada no mercado de trabalho e desenvolvimento profissional. As pessoas que se formam aqui se enraízam na cidade, trabalham aqui e ajudam a melhorar a economia do município. Acho que esse caminho, de contar com a ajuda da iniciativa privada, é a solução para o aumento dos investimentos em ciência e tecnologia”, comenta.

O superintendente regional da Finep, Oswaldo Massambani também acredita no investimento na tecnologia como forma de recuperação da economia.

“Empresas estão mais aptas a investir para não ficar para trás. É preciso aprimorar o esforço em inovação, com novos processos e serviços que aumentam a competitividade. Esse esforço tem um retorno enorme em médio e longo prédio”, afirma.

Universidade e Cemaden

Durante a solenidade também foi assinado o termo de expansão do Cemadem, que agora passa a atender em um espaço de 3.100 metros quadrados no novo centro do parque.

Para o diretor do Cemaden, Osvaldo Moraes, a mudança não significará novos serviços, mas uma reacomodação dos pesquisadores do centro.

“Essa adequação é importante para que o centro tenha seu espaço próprio. E São José dos Campos é a cidade perfeita para aprimorarmos os projetos desenvolvidos pelo centro”, afirma.

O encontro marcou também a inauguração do polo joseense da Univesp. Na cidade, a universidade oferecerá cursos de Engenharia de Computação e Engenharia de Produção.