Projeto

Alunos da escola mostram mecanismo de monitoramento

Reprodução / Rose Sousa

Às margens do Rio Paraíba do Sul, os moradores do bairro Sinhá, na zona norte de São José dos Campos, convivem constantemente com os impactos das chuvas. Diante dessa realidade, professores e alunos se uniram para organizarem um sistema de monitoramento para emitir sinal de alerta para prevenção dos desastres naturais.

“Desde 2013, estamos nos preparando para chegar a esse ponto. Construímos uma conscientização nos nossos alunos e eles se envolveram com muita dedicação, já que é uma realidade vivenciada por eles”, diz a professora de geografia, Rosa Maria Sousa.

Em parceria com o Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais), o sistema que está sendo criado pelos alunos irá monitorar os índices de chuvas do rio Buquira na cidade de Monteiro Lobato.

“A nossa atenção é voltada ao rio Buquira de forma estratégica já que, dependendo da quantidade de chuvas, o rio enche e inunda a SP 50, impedindo vários alunos de chegar até a escola”, explica a professora.

 

O Projeto

Para realizar esse monitoramento, está sendo desenvolvida uma parte mecânica que funciona igual a um monjolo, onde a água da chuva é captada. Quando há uma quantidade de água, uma válvula é acionada. Ao ser acionada, um sensor irá indicar a evasão de água. Esses dados serão relacionados com a quantidade de chuva captada em um pluviômetro instalado.

Felipe Sene é aluno da Escola Estadual de Ensino Integral Professora Ilza Irma Moeli Coppio, que organiza as atividades. Com 17 anos, ele já vive a experiência de presenciar enchentes.

“Queremos aplicar isso no dia a dia e ajudar a melhorar a nossa vida e dos nossos vizinhos. É um projeto muito interessante que, desde o primeiro, me atraiu”, diz Felipe.

De acordo com a professora Rosa, o objetivo é de “ultrapassar os muros das escolas. Criar ações para que possamos transpor esses desafios que vamos presenciando.”