raquel_costa

Após descobrir a doença aos 26 anos, Raquel resolveu criar o projeto

Arquivo Pessoal

A jovem publicitária Raquel Costa, de 26 anos, natural de São Bento do Sapucaí, criou recentemente o projeto ‘Somos Todos Esquecidos’ em apoio a todas as pessoas que sofrem de esclerose múltipla e outras doenças que afetam diretamente a memória dos seres humanos.

Raquel é moradora de São José dos Campos e descobriu há dois meses que sofre de esclerose múltipla, uma doença que não tem cura e que afeta a memória das pessoas, além de causar diversos outros problemas, como transtornos emocionais, fadiga, perda de sensibilidade, problemas na visão, entre outros.

“Eu comecei a sentir os primeiros sintomas no carnaval deste ano. Minha visão ficou ruim da noite para o dia e eu não conseguia enxergar o centro das imagens, somente o que havia ao redor. Esperei passar o feriado e procurei um oftalmologista, fiz diversos exames, fui encaminhada para um neurologista e fui diagnosticada com esclerose múltipla”, conta a publicitária.

“Fui internada com urgência e fiz um tratamento de cinco dias tomando fortes medicamentos para que minha visão voltasse ao normal. É uma doença que não tem cura, apenas um tratamento que custa cerca de R$ 10 mil por mês. Eu ainda estou no processo de conseguir realizar o tratamento pelo SUS (Sistema Único de Saúde)”, completa Raquel.

esclerose_1

Relatos de pessoas sem esclerose

Divulgação/Somos Todos Esquecidos

Foi após sentir na pele e conhecer mais sobre a doença que Raquel resolveu tomar uma atitude: criar o projeto "Somos Todos Esquecidos". “Vários amigos meus começaram a me contar que é normal esquecer as coisas, mesmo sem possuir esclerose, e foi isso que me motivou a criar o projeto”.

“Eu comecei a pesquisar sobre a doença e vi que não existe nenhum grupo de pessoas com esclerose na região do Vale do Paraíba. Criei a página no facebook e um tumblr, onde periodicamente faço postagens com relatos de pessoas sem a doença e que se esqueceram de algo, justamente para mostrar que o esquecimento é algo cotidiano na vida de qualquer um”, afirma Raquel.

O objetivo principal do projeto é praticar o exercício da empatia, para que as pessoas não julguem quem tem o esquecimento como sintoma de uma doença, seja ela esclerose ou não. O ideal é que a pessoa pare e pense antes de julgar uma pessoa por ela ter alguma doença.

“Este é só o início do projeto. Eu e uma amiga pretendemos, mais pra frente, organizar grupos para encontros de pessoas que têm a doença, para que possamos debater sobre o assunto, relatar histórias e desmistificar esse tema tão pouco conhecido pela população”, conclui a publicitária.

Sobre esclerose
A Esclerose Múltipla, de acordo com a Abem (Associação Brasileira de Esclerose Múltipla), é uma doença neurológica, crônica e autoimune, ou seja, as células de defesa do organismo atacam o próprio sistema nervoso central, provocando lesões cerebrais e medulares.

Apesar da causa da doença ainda ser desconhecida, ela tem sido foco de muitos estudos no mundo todo, o que tem possibilitado uma constante e significativa evolução na qualidade de vida dos pacientes. Os pacientes são geralmente jovens, em especial mulheres de 20 a 40 anos.

A estimativa da Abem é de que 35 mil brasileiros possuem esclerose múltipla. Os principais sintomas da doença são: perda de memória, fadiga intensa, depressão, fraqueza muscular, alteração do equilíbrio da coordenação motora, dores articulares e disfunção intestinal e da bexiga.