2016_fora_todos_ato_divulgacao_sindicato_metalurgicos_sjc_sao_jose_dos_campos

Sindicatos programam paralisação nacional para quarta-feira (15), às 10h

Divulgação/SindMetal

Os sindicalistas estão convocando trabalhadores de todas as áreas para participarem da paralisação nacional contra a reforma trabalhista e previdenciária, que acontece nesta quarta-feira (15), em diferentes cidades em todo o país. Em São José, a manifestação está prevista para acontecer às 10h, na praça Afonso Pena, reunindo integrantes de diferentes sindicatos.

Entre os sindicatos que aderiram está o SindServ (Sindicato dos Servidores Públicos) de São José, que vai às ruas para lutar contra a retirada de direitos dos trabalhadores e a reforma previdenciária.

“Estamos em um país que está sofrendo uma série de retrocessos e ataques dos direitos trabalhistas. Essa manifestação é da classe trabalhadora, mas precisa ser uma luta consciente. Por isso, estamos falando com mais de dez mil trabalhadores que mostram insatisfação com as mudanças”, diz Maria Zelita Ramos, diretora do SindServ.

Leia Também

De acordo com Zelita, os servidores públicos de São José têm motivos para irem às ruas. Segundo ela, desde o ano passado os servidores tiveram os benefícios reduzidos. “Considerando os poucos benefícios que temos em uma luta que acontece desde 1992, não podemos admitir que retirem. Estamos pedindo para que o atual prefeito revogue o decreto da gestão anterior, retomando os nossos direitos, e buscando uma maneira melhor de economizar, sem prejudicar os trabalhadores”.

A gestão do ex-prefeito Carlinhos Almeida (PT), reduziu o valor do vale-transporte, do vale-alimentação e de outros benefícios, que também não são depositados nos períodos de férias e licença médica.

“Quarta (15), alguns sindicatos começam a se manifestar às quatro da manhã, nas portas de fábricas, outras categorias em outros lugares e horários. O SindServ vai estar às 7h30 em frente da prefeitura e vamos seguir andando até a praça Afonso Pena, onde às 10h vão se encontrar todos os trabalhadores insatisfeitos com as mudanças em sua área”, conclui a diretora.