Taubaté registrou a nona morte do ano por gripe. A vítima foi uma mulher de 53 anos diagnosticada com Influenza B --ela morreu na quartta-feira (17).

O número de mortes causadas pelo vírus nos primeiros cinco meses de 2017 na cidade já supera o total de todo o ano passado, quando a gripe fez oito vítimas fatais.

Do total de mortes registradas em 2017, cinco são por Influenza B e quatro pelo vírus H3N2. Taubaté soma até o momento 36 casos da doença, dos quais 19 confirmados para Influenza B, 16 para H3N2 e 1 para H1N1 --em todo o ano passado, foram confirmados 56 casos da doença, dos quais 45 para H1N1 e 11 para Influenza B.

A Vigilância Epidemiológica de Taubaté alerta que, quanto mais vírus diferentes são identificados em circulação, maior é a chance de um número expressivo de casos. "Estima-se que uma pessoa infectada seja capaz de transmitir o vírus para até dois contatos não imunes", segundo informou a prefeitura.

20151706_imunizacao_vacina_gripe_adenirbrittopmsjc

Das nove vítimas, apenas uma tinha menos de 50 anos

Divulgação

Perfil das vítimas

Três vítimas morreram em janeiro (um homem de 20 anos, uma mulher de 76 e outra de 50), uma em fevereiro (um homem de 52 anos), duas em março (um homem e uma mulher, ambos de 58 anos), duas em abril (uma mulher de 72 anos e outra de 73) e uma este mês.

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza está prevista para terminar no dia 26. A vacina contra a gripe não é capaz de eliminar a doença ou impedir a circulação dos vírus. Por isso, as medidas de prevenção são tão importantes, particularmente durante o inverno. 

O Ministério da Saúde orienta a adoção de cuidados simples como formas de prevenção: lavar as mãos várias vezes ao dia, cobrir o nariz e a boca ao tossir e espirrar com papel descartável, evitar tocar o rosto e não compartilhar objetos de uso pessoal, entre outros.

Em caso de síndrome gripal, a recomendação é procurar um serviço de saúde o mais rápido possível.

Os sintomas da gripe são: febre, tosse ou dor na garganta, além de outros, como dor de cabeça, dor muscular e nas articulações. Já o agravamento pode ser identificado por falta de ar, febre por mais de três dias, piora de sintomas gastrointestinais, dor muscular intensa e prostração.