reforco_e_nivelamento_escolar

É muito frequente a queixa de pais e professores a respeito da defasagem de habilidades básicas das competências de leitura e escrita, que muitos alunos trazem consigo, desde os anos iniciais do ensino fundamental até o ensino superior.
Essa defasagem é mais facilmente percebida quando nossos filhos mudam de escola e pode ser de diferentes causas e ter graves consequências, como problemas de aprendizagem, frustração dos alunos e fracasso escolar, que podem abalar a autoestima e o projeto de vida deles.

Cabe às escolas traçarem uma ação emergencial para o combate desta defasagem, além da oportunidade de rever-se enquanto espaço comprometido com a aprendizagem homogênea de todos seus alunos.
Aulas de Reforço e Recuperação Paralela devem ser implementadas desde o início do ano letivo, logo após avaliação diagnóstica para mensuração e triagem das dificuldades mais latentes.

Os pais e responsáveis devem ficar atentos e acompanhar a evolução desse processo, pois essas aulas não devem ter caráter apenas conteudista com exercícios repetidos e/ou semelhantes dos que serão trabalhados em sala de aula, pois desta forma, não recuperarão com eficácia as habilidades essenciais e básicas dos alunos participantes.

Agindo assim, a escola assume o papel de mera identificadora e encaminhadora de "problemas", reforçando a crença de que estes serão sanados por especialistas fora da escola e que nas salas de aula, nada pode ser feito por esses alunos.

Um projeto de Nivelamento (recuperação de conteúdos que estejam dificultando o processo escolar, promovendo uma
aprendizagem mais significativa e permitindo a continuidade dos estudos de maneira eficaz e prazerosa), deverá fazer parte da grade de horário da instituição escolar e as aulas ministradas pelo próprio corpo docente, refletindo assim o que sempre se esperou da escola: ela chamando para si a responsabilidade de fazer a sua parte no enfrentamento desses problemas, abrindo espaços internos e reestruturando-se para tal.