20140327_ebc_620_whatsapp

WhatsApp é o mais popular e utilizado nas redes sociais

Reprodução

Após a grande novidade do acesso à Internet pelos aparelhos celulares, eis que surge um aplicativo gratuito que possibilita a troca de mensagens instantâneas e que tornou-se a coqueluche do momento.

O WhatsApp é o mais popular e utilizado nas redes sociais, superando o Facebook e o Instagran.
O recurso é utilizado para conversas individuais ou em grupos, com envio e recebimento de mensagens de texto, fotos, documentos e até vídeos. Prático, rápido, eficiente e fácil de manusear, tornou-se um facilitador nas relações humanas, mas desde que utilizado de forma ética e responsável. 

No universo escolar, essa ferramenta já faz parte integrante do cotidiano dos alunos, pais e professores. Com todos os benefícios possíveis para serem enumerados, o resultado de seu uso tem sido gerador de problemas e inimizades. 

Alunos – utilizam para troca de informações de assuntos escolares (tarefas, trabalhos e registro gerais), mas tiram fotos e filmam colegas para a prática do bullying.

Professores e Coordenadores – praticidade para comunicação interna (direcionamento de atividades pedagógicas, avisos e combinados), pena as postagens de assuntos não pertinentes e que saem do foco do trabalho escolar.

Pais – as mães, principalmente, criam grupos com outras mães para socialização (já que os filhos estudam na mesma turma e ano escolar), mas acabam se envolvendo com assuntos de âmbito exclusivo da escola e que dizem respeito aos filhos que não são os seus.

Gerando desconforto, mal-entendidos e atritos pelo celular e/ou porta da escola, totalmente desgastantes e desnecessários.
Como agir mediante esse quadro?

É necessária uma reflexão sobre a temática de cada grupo em particular. 

As tecnologias contemporâneas estão à disposição, mas para serem usadas com discernimento. Sendo assim, a escola deve ter diretrizes claras do uso desse aplicativo e se necessário, reorganizar e reconduzir os grupos envolvidos.