embraer_e_boeing

São José dos Campos está acima de cidades do Canadá e Estados Unidos

Arquivo Meon

Um levantamento divulgado pela fDi Intelligence, revista especializada em mercado internacional do jornal The Financial Times, aponta São José dos Campos como a principal cidade do mundo no ranking de potencial estratégico para desenvolvimento no setor aeroespacial 2018/2019, a frente de cidades como Mississauga, no Canadá, e Cincinnati, nos Estados Unidos.

Através de ferramentas especializadas de marketing, a pesquisa leva em conta cinco aspectos: potencial econômico, desempenho do IED (Investimento Estrangeiro Direto), efetividade do custo, inovação, atratividade e conectividade.  Além disso, foi levado em conta a presença da Embraer, proximidade dos aeroportos de Guarulhos/Campinas, o porto de São Sebastião, presença e trabalho realizado no CTA (Centro Técnico Aeroespacial) e a cadeia local de fornecedores de peças e partes aeronáuticas.

De acordo com os dados levantados, a cidade conta com funcionários dedicados na promoção do setor aeroespacial internacionalmente, além de contar com o Cluster Aeroespacial Brasileiro,  que incentiva a cooperação entre 100 grandes, médias e pequenas empresas. Para o secretário de Inovação e Desenvolvimento Econômico, Alberto ‘Mano’ Marques, as negociações entre Embraer e Boeing influenciam na busca de investimentos internacionais.

arte_fdi_aerospace_charts_3

“Essa classificação é importante porque mostra um trabalho correto. A cidade de São José conta com o 3º maior cluster do mundo. Isso faz parte dos investimentos de médio e longo prazo. Com a negociação recente entre a Embraer e a Boeing, isso torna o ambiente propício para investimentos internacionais", afirma.

Outro ponto que é citado na publicação é o alto volume de terra para desenvolvimento do setor aeroespacial na cidade, o que inclui uma área próxima ao aeroporto de São José dos Campos. Segundo o fDi, o local é adequado para operações em grande escala, como manutenção, reparo e instalação de equipamentos aeroespaciais.

A revista também evidencia o Parque Tecnológico de São José , que tem 188 mil metros quadrados, conta companhias voltadas para a tecnologia, programas de treinamento em gestão e oportunidades para negócios e pesquisas.