Por Conteúdo Estadão Em Mundo

Jerusalém tem confrontos entre palestinos e polícia israelense após cessar-fogo

Mesmo com o respeito ao cessar-fogo selado na quinta-feira, 20, após 11 dias de confronto entre Israel e Hamas, a tensão no Oriente Médio ressurgiu em Jerusalém, onde manifestantes palestinos voltaram a enfrentar a polícia israelense na Esplanada das Mesquistas nesta sexta-feira, 21.

Segundo a polícia, protestos começaram depois das preces de sexta-feira na Mesquita de Al-Aqsa. Manifestantes arremessaram pedras e bombas caseiras contra policiais e foram dispersados. De acordo com o Crescente Vermelho, ao menos 21 palestinos ficaram feridos. Outros confrontos foram registrados em outras cidades da Cisjordânia.

Confrontos na Esplanada das Mesquitas foram o estopim para a atual crise, há 12 dias. Desta vez, no entanto, a trégua segue mantida. "Desde as 2h não se detectou nenhum lançamento de foguete, e os aviões (das Forças Armadas) voltaram para suas bases", anunciou o Exército israelense.

Celebrações do lado palestino

Após o anúncio da trégua, milhares de palestinos saíram às ruas de Gaza para festejar o fim dos bombardeios israelenses. Manifestações ocorreram em cidades da Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, ocupados. "É a euforia da vitória", disse Khalil al-Haja, número dois do gabinete político do Hamas na Faixa de Gaza, um enclave submetido a bloqueio israelense há quase 15 anos.

"Nosso povo se levantou para defender a Mesquita de Al-Aqsa de peito aberto e provar ao mundo todo que Jerusalém é nossa e a mesquita é uma linha vermelha", disse o líder do Hamas, Ismail Haniyeh.

Repercussão internacional

O presidente americano, Joe Biden, agradeceu ao Egito pelo papel desempenhado no cessar-fogo, que chamou de "oportunidade genuína para avançar" rumo à paz entre israelenses e palestinos. O Egito enviará duas delegações a Tel-Aviv e aos Territórios Palestinos para "supervisionar a aplicação do cessar-fogo", informaram fontes diplomáticas do Cairo.

A União Europeia também celebrou o anúncio e recordou que "a situação na Faixa de Gaza é insustentável há muito tempo", enquanto a Alemanha, que também elogiou a iniciativa, advertiu que agora é necessário "abordar as causas profundas do conflito para encontrar uma solução" para a região.

Conheça um pouco sobre a história do conflito entre israelenses e palestinos, cujo novo capítulo de confronto já deixou mortos de ambos os lados
O papa Francisco também aplaudiu o cessar-fogo e pediu a toda Igreja Católica que reze pela paz. "Agradeço a Deus pela decisão para se deter os conflitos armados e os atos de violência e rezo pela continuação da via do diálogo e da paz", declarou. Segundo o papa, uma vigília de Pentecostes será celebrada na Igreja de Santo Estêvão de Jerusalém para "reivindicar o presente da paz".

Os bombardeios aéreos e os disparos de artilharia e de foguetes deixaram, em 11 dias, as mortes de pelo menos 232 palestinos, incluindo 65 menores de idade, e 1.900 feridos, segundo as autoridades de Gaza. Em Israel, os foguetes palestinos mataram 12 pessoas, incluindo uma criança e uma adolescente, e deixaram 355 feridos, segundo a polícia. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Carregando ...

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Conteúdo Estadão, em Mundo

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.