Mundo

Crise energética na China traz possibilidade de inflação e instabilidade econômica

Os preços da energia saltaram para máximas recordes, diz Pequim

Escrito por Agência Brasil

12 OUT 2021 - 17H27 (Atualizada em 13 OUT 2021 - 07H38)

A previsão é de tempo seco, com baixas taxas de umidade relativa do ar na capital paulista são paulo Foto: Felipe Rau/ESTADÃO

Autoridades de Pequim a Chennai buscavam reverter a enorme escassez de energia nesta terça-feira (12), provocando preocupações nos mercados de que o aumento dos custos da energia vai provocar inflação e prejudicar a recuperação econômica.

Os preços da energia saltaram para máximas recordes nas últimas semanas devido à escassez na Ásia, Europa e Estados Unidos, com a expectativa de que a crise energética na China dure até o fim do ano e afete o crescimento do país.

Nesta terça-feira, a China adotou a medida mais ousada na reforma de décadas do setor energético, afirmando que permitirá que fábricas que usam carvão repassem os altos custos de geração para alguns usuários finais através de preços de eletricidade direcionados pelo mercado.

Permitir que os preços sejam determinados pelo mercado deve encorajar geradores que registram prejuízos a aumentar a produção.

Os impactos dos problemas de oferta em energia e componentes de manufatura estão aparecendo em dados de Tóquio a Londres, ampliando o nervosismo em mercados globais e destacando a dificuldade em reduzir a dependência do mundo de combustíveis fósseis poluentes um mês antes de discussões globais sobre mudanças climáticas.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Carregando ...

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Agência Brasil, em Mundo

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.