Por Conteúdo Estadão Em Noticias

Delatores do ataque hacker à Lava Jato depõem à Justiça Federal

Investigados sob suspeita de participação no ataque hacker a celulares de autoridades, incluindo procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato, Gustavo Elias Santos e Luiz Henrique Molição prestaram novos depoimentos nesta sexta-feira, 21, nas investigações da Operação Spoofing, que apura o crime cibernético.

Eles foram ouvidos por videoconferência pelo juiz Ricardo Leite, da 10.ª Vara Federal de Brasília. Ambos chegaram a ser presos durante as investigações, mas foram liberados após a homologação de acordos de colaboração com a Justiça Federal. Enquanto Santos nega ter participado das invasões dos celulares, Molição se comprometeu a trazer revelações sobre o hackeamento das autoridades por meio das contas do aplicativo de comunicação Telegram.

"Não tenho participação, nem parte, nem culpa do que aconteceu. Se foi usado no meu perfil, na minha conta, não fui eu. E é uma lógica, se eu tivesse descoberto essa técnica, eu teria utilizado mais vezes, porque o meu login estava ativo até o dia da minha prisão", afirmou Santos, que era DJ e produtor de eventos antes de ser preso.

Molição, que era estudante de Direito, deu sua versão de como Walter Delgatti Neto, conhecido Vermelho, teria invadido os aparelhos. "Todas as contas que eu tive acesso, já haviam sido hackeadas, e ele só me passava o material obtido ou o acesso", afirmou.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Carregando ...

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Conteúdo Estadão, em Noticias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.