Por Conteúdo Estadão Em Noticias Atualizada em 04 ABR 2020 - 13H28

Picos de novos seguidores de Bolsonaro coincidem com crises, diz estudo da USP

A pesquisa analisou as contas do Facebook, YouTube, Instagram e Twitter do presidente

Um estudo elaborado pelo Monitor do Debate Político no Meio Digital da Universidade de São Paulo (USP) mostra que, no último ano, a base de seguidores do presidente Jair Bolsonaro em todas as redes sociais oficiais cresceu acima da média em momentos de crise.

A pesquisa, que analisou as contas do Facebook, YouTube, Instagram e Twitter do presidente, sugere que, ao longo do último ano de governo, ocorreu uma série de alinhamentos da base pró-Bolsonaro para defendê-lo, pela radicalização e negação da avaliação de especialistas de ações do governo.

Segundo o relatório, crises de repercussão na imprensa, como os atos contra os cortes na Educação, o depoimento do porteiro do condomínio Morada do Sol associando a família Bolsonaro ao assassinato da vereadora Marielle Franco e o aumento expressivo de queimadas na Amazônia, foram revertidos em engajamento e ganhos de novos seguidores, com expressão mais notável no Facebook.

O pronunciamento, do último dia 24, em que Bolsonaro defendeu o isolamento social apenas para pessoas do grupo de risco do novo coronavírus, causou aumento do número de seguidores cerca de dez vezes maior do que a média, o maior aumento desde março do ano passado.

Márcio Moretto Ribeiro, coordenador do Monitor do Debate Político no Meio Digital e autor do estudo, avalia que o levantamento não é contraditório com quedas de aprovação do governo nos mesmos períodos.

Segundo o professor da USP, o fenômeno é possível porque os novos apoiadores são ou se tornam mais radicais e negam especialistas apresentados pela imprensa como premissa. "Como pesquisas indicam queda de aprovação de seu governo no mesmo período, o que fica sugerido é um realinhamento de sua base de apoio que se torna menos numerosa porém mais radical".

A reprovação ao governo atingiu 42% em abril, ante 36% em março, de acordo com edição da 'Pesquisa XP com a População', realizada pela instituição em parceria com o instituto Ipespe divulgada nesta sexta-feira.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Carregando ...

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Conteúdo Estadão, em Noticias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.