Por Conteúdo Estadão Em Noticias

Presidente da CPI critica aglomeração de Bolsonaro no Maranhão

O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), criticou o presidente Jair Bolsonaro pela aglomeração que o chefe do Executivo promoveu durante agenda no Maranhão, na sexta-feira, 21, um dia depois de o Estado identificar a circulação da nova variante indiana do novo coronavírus. O parlamentar também reafirmou que o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello será reconvocado à comissão para prestar novos esclarecimentos.

Aziz participou neste sábado, 22, de uma transmissão ao vivo do grupo Prerrogativas, que reúne juristas e entidades representativas do Direito. "O presidente era para dizer: 'vou cancelar minha ida, porque vou criar aglomeração, depois eu faço'. Era entrega de título, não era nem uma grande obra, nada que fosse mudar a vida de milhões de brasileiros", disse.

Aziz cobrou de Bolsonaro uma autocrítica sobre a insistência com a hidroxicloroquina, remédio sem eficácia comprovada contra a covid-19, e disse que o presidente deveria parar de ficar "brincando" e fazendo "chacotinhas" no meio da pandemia.

"Eu imaginava um presidente que pudesse estar à frente dessa pandemia, lutando para trazer vacina e imunizar o povo. E não querendo ser médico e prescrever remédio", afirmou.

Na última transmissão ao vivo de Bolsonaro, que ele faz tradicionalmente às quintas-feiras, o presidente citou parlamentares amazonenses da CPI e sugeriu que eles pensassem no Estado sem a Zona Franca de Manaus. A menção foi interpretada como uma ameaça.

"O presidente tinha que se mudar para o Ministério da Saúde em vez de fazer live e ficar brincando, fazendo chacotinha, ameacinha. Pega o telefone e liga para os principais líderes mundiais e diz: 'olha, o Brasil tem relações comerciais com vocês. Estamos precisando de vacina, kit de intubação'. Duvido se um líder mundial não atenderia o presidente do Brasil".

Reconvocação. O senador Omar Aziz reafirmou que o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello será reconvocado para esclarecimentos à CPI. O requerimento deverá ser votado na próxima quarta-feira (26).

O objetivo dos senadores é refazer o interrogatório sem que Pazuello esteja protegido por um habeas corpus do Supremo Tribunal Federal, como ocorreu nos dois dias em que depôs aos senadores.

Apesar de autorizado por decisão judicial a não dar respostas que pudessem incriminá-lo, ele respondeu a todas as perguntas. No entanto, o ex-ministro fez ao menos dez alegações enganosas sobre cloroquina, testes e vacina, como mostrou a checagem do Estadão Verifica.

Uma ala da comissão avalia que o habeas corpus acabou sendo usado como salvaguarda para dar a Pazuello a possibilidade de não falar a verdade sem correr o risco de ser preso. Em CPIs, testemunhas convocadas têm a obrigação por lei de falar a verdade.

"A gente espera poder trabalhar sem a ingerência do Supremo nessa questão. Se o ministro Lewandowski assistiu, vai ver que não pode dar habeas corpus para um cara que mentiu", frisou Aziz. "Pazuello foi lá e defendeu Bolsonaro como se estivesse defendendo o filho dele. Talvez o pai não mentisse tanto pelo filho como Pazuello mentiu por Bolsonaro".

Na entrevista, o senador também fez críticas aos ex-ministros Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. Disse que ambos deveriam ter apresentado as informações que deram à CPI quando saíram da pasta. Entre elas, a da proposta que chegou a ser discutida no governo de mudar a bula da cloroquina por decreto presidencial para que ela pudesse ser usada em pacientes com a covid-19 apesar das recomendações contrárias.

"Mandetta foi lá, posou de bom moço. Esqueceu quem estava na sala (quando a mudança na bula foi discutida). Sabe sim. Teich também sabe. Não falaram a verdade, mentiram. Se lá atrás tivessem dito isso, que pediram para que mudasse a bula da cloroquina, claro que o Congresso já tinha tomado providência", disse.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Carregando ...

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Conteúdo Estadão, em Noticias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.