Por Conteúdo Estadão Em Brasil & Mundo

Seleção brasileira estreia com três vitórias no Mundial de Surfe em El Salvador

A seleção brasileira começou bem a defesa pela medalha de ouro no Mundial de Surfe, que está sendo disputado em El Salvador. Em boas ondas neste domingo, nas praias de La Bocana e El Sunzal, o time nacional obteve vitórias com Italo Ferreira, Gabriel Medina e Tatiana Weston-Webb.

Atual campeão da categoria masculina, Italo foi o grande destaque do dia ao cravar os novos recordes do evento nas esquerdas de La Bocana. Ele abusou das decolagens de frontside e foi recompensado com notas 8,00 e 8,43 pelos juízes. Com 16,43 no placar, ele deixou os irlandeses Rory Tuhoy (2.º) e Olsin Campbell (3.º) precisando de uma combinação de notas.

Na sequência, no point break de direitas de El Sunzal, foi a vez de Tatiana Weston-Webb comandar o show verde e amarelo. Ela não economizou nas manobras de backside para anotar 8,33 na sua melhor onda e dominar a disputa contra a equatoriana Dominic Barona (2.ª) e a suíça Fabienne Sutter (3.ª).

De volta às esquerdas de La Bocana, Gabriel Medina fez a sua estreia apenas na 21.ª bateria do dia. Com muita categoria e 12,50 no somatório, ele não deu chances ao irlandês Gearoid McDaid (2.º) e ao russo Egor Volkov (3.º).

A única derrota brasileira do dia aconteceu na bateria que abriu a disputa feminina em El Sunzal. Campeã brasileira de 2019, Julia Santos ficou em terceiro lugar em uma dura batalha contra a equatoriana Génesis Borja (1.ª) e a holandesa Julia Van Rooij (2.ª). Agora, a atleta terá que passar pelo longo caminho da repescagem em busca de uma vaga na final.

O único brasileiro que não estreou neste domingo em El Salvador foi Filipe Toledo. O atleta de Ubatuba (SP) segue escalado na 29.ª bateria da primeira fase contra Che Allan, de Barbados, e Nikita Avdeev, da Rússia. A sua disputa está programada para esta segunda-feira, em La Bocana.

Além de distribuir medalhas nas categorias masculina, feminina e por equipes, o Mundial de Surfe também definirá os últimos 12 classificados (sete mulheres e cinco homens) para os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020.

DE FORA - Seguindo todos os protocolos pré-embarque e depois de testar negativo no exame de sorologia realizado no início do mês de maio - e novamente testar negativo no RT-PCR realizado na última quarta-feira para poder embarcar - a brasileira Silvana Lima, que defendia a medalha de prata, testou positivo no exame realizado na saída do aeroporto em El Salvador e o resultado se confirmou no segundo teste realizado no país da América Central.

A atleta está se sentindo bem e sendo acompanhada pelas equipes médicas da competição e do Comitê Olímpico do Brasil (COB), mas não estará apta a participar do Mundial.

"O protocolo da organização do evento e a estrutura oferecida para a seleção em El Salvador foram muito importantes para a segurança da equipe e de todos os atletas e profissionais envolvidos. A atleta permanecerá isolada e acomodada em um hotel disponibilizado pelas autoridades locais até que o período de quarentena necessário se encerre", afirmou Adalvo Argolo, presidente da Confederação Brasileira de Surf (CBSurf).

Como a atleta conquistou a sua vaga pelos resultados obtidos em 2019 e não está participando deste último evento classificatório exclusivamente por motivos de saúde, nada muda com relação a sua qualificação para Tóquio-2020. "Estaremos acompanhando e cuidando da Silvana para que ela possa se restabelecer plenamente e retomar a sua preparação para a estreia olímpica", complementou Adalvo.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Carregando ...

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Conteúdo Estadão, em Brasil & Mundo

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.