Por Conteúdo Estadão Em Noticias

Dimas Covas defende esforço nacional para vencer a pandemia no País

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, defendeu que é necessário um esforço nacional para o combate da pandemia da covid-19 no País. Para Covas, a pandemia é uma "guerra", e sem a união nacional, o Brasil continuará "refém" da pandemia.

Covas afirmou ser necessária a união de áreas como as regulatórias, de indústrias que produzem vacinas veterinárias, a das que produzem vacinas humanas para lidar com a crise sanitária. "Enfim, é um esforço que permite a gente vencer essa batalha, senão nós vamos ser reféns desse vírus por um bom tempo ainda", afirmou o diretor, durante sua oitiva na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, no Senado.

Covas também voltou a afirmar que se a regulamentação para o uso emergencial de vacinas tivesse sido feita com maior celeridade pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o País poderia ter começado a imunização mais cedo. "Houve, sem dúvida nenhuma, uma demora em o País se mobilizar para enfrentar essa questão da epidemia com todas as armas disponíveis" afirmou.

Para o diretor do Instituto Butantan, é preciso encarar as questões referentes à pandemia como uma guerra. "Nós poderíamos sim ter uma agilidade maior nesse esforço de guerra", afirmou. No momento, o Butantan aguarda aval da agência reguladora a fim de iniciar testes com outro imunizante candidato contra a covid-19, a Butanvac, em fase de desenvolvimento. O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, defendeu que é necessário um esforço nacional para o combate da pandemia da covid-19 no País. Para Covas, a pandemia é uma "guerra", e sem a união nacional, o Brasil continuará "refém" da pandemia.

Covas afirmou ser necessária a união de áreas como as regulatórias, de indústrias que produzem vacinas veterinárias, a das que produzem vacinas humanas para lidar com a crise sanitária. "Enfim, é um esforço que permite a gente vencer essa batalha, senão nós vamos ser reféns desse vírus por um bom tempo ainda", afirmou o diretor, durante sua oitiva na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, no Senado.

Covas também voltou a afirmar que se a regulamentação para o uso emergencial de vacinas tivesse sido feita com maior celeridade pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o País poderia ter começado a imunização mais cedo. "Houve, sem dúvida nenhuma, uma demora em o País se mobilizar para enfrentar essa questão da epidemia com todas as armas disponíveis" afirmou.

Para o diretor do Instituto Butantan, é preciso encarar as questões referentes à pandemia como uma guerra. "Nós poderíamos sim ter uma agilidade maior nesse esforço de guerra", afirmou. No momento, o Butantan aguarda aval da agência reguladora a fim de iniciar testes com outro imunizante candidato contra a covid-19, a Butanvac, em fase de desenvolvimento.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Carregando ...

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Conteúdo Estadão, em Noticias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.