RMVale

Quem ainda tem cobertor da Tecelagem Parahyba? Fábrica marca a história de São José

A tecelagem encerrou suas atividades nos anos 90, mas se mantém ativa, graças à iniciativa de antigos funcionários vinculados à cooperativa

Escrito por Ana Lígia Dal Bello

27 JUL 2021 - 17H47 (Atualizada em 27 JUL 2021 - 18H26)

Cobertores Parahyba tecelagem3 (Cobertores Parahyba)

Fundada em março de 1925, a Tecelagem Parahyba é um dos importantes marcos do processo industrial em São José dos Campos. Para confirmar, pergunte a algum joseense “das antigas” se ele já teve ou ainda guarda um cobertor da Tecelagem Parahyba. 

Atualmente, a área de fabricação é mantida pela Coopertêxtil, cooperativa dos antigos trabalhadores, que herdaram as instalações da fábrica.

A primeira unidade tinha galpões de seis mil metros quadrados; em julho de 1927, a produção mensal de cobertores já havia chegado aos 60 mil.

Reprodução
Reprodução
Quem ainda tem cobertor da Tecelagem Parahyba? Mantida por cooperativa, a fábrica marca a história de São José


Nos anos 50, além de já ter conquistado prestígio internacional, a área de construção foi ampliada para 60 mil metros quadrados. Funcionando a todo vapor, a fábrica influenciou a sociedade, a economia e a história do município.

Após 70 anos à frente do mercado nacional de tecidos e fiação de lã, a tecelagem fechou suas portas em 1993. Grande parte das pessoas que trabalharam ali já faleceu, mas ainda encontramos personagens que testemunharam os últimos anos da fábrica. É o caso da pedagoga Raimunda Dias, que trabalhou no local por alguns meses, nos anos 80.

“Entrei na tecelagem em 1987, por indicação de uma amiga, para a vaga de fiadeira na seção onde eram enrolados os fios nos cones, antes que fossem para a seção de tecer os cobertores”, conta a pedagoga.

Segundo a antiga funcionária, a fabricação de cobertores era manual, com o auxílio de algumas máquinas. “A lã vinha para a fábrica bem rústica e ali era feito todo o processo. Era lavada, depois traçada para formar os cobertores e os panos para as roupas”, relembra.

“Eu gostava bastante de trabalhar lá. Acordava muito cedo, às 3h da manhã, para entrar às 5h”, continua.

A pedagoga puxa pela memória o tempo em que os trens que passavam pela atual Estação Central da RFFSA ainda transportavam pessoas, em vez de cargas. “Uma curiosidade é que esperávamos o trem passar para podermos entrar na portaria da fábrica, para começarmos a trabalhar. Nossa tecelagem é um marco para nossa região, que inovou e ajudou várias gerações a manterem a renda familiar”, conclui Dias.

Mundo Coop
Mundo Coop
Quem ainda tem cobertor da Tecelagem Parahyba? Mantida por cooperativa, a fábrica marca a história de São José


Cooperativa

Hoje, quem continua o legado da produção de cobertores é o grupo de antigos funcionários, representados pela Coopertêxtil. O espaço no bairro de Santana, zona norte de São José, tem muita história e memória, mesmo se reinventando para obter conquistas.

Exemplo de dinamismo e criatividade é o projeto Meias do Romeiro. Com tecnologia antibolhas, as meias são destinadas aos devotos de Nossa Senhora Aparecida, que percorrem quilômetros a pé, durante as romarias. A fábrica continua com os cobertores, mas ampliou a oferta para edredons, lençóis, pijamas, tapetes e outros itens.


Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Carregando ...

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Ana Lígia Dal Bello, em RMVale

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.