Alunos

O legado sociocultural do escritor Monteiro Lobato

Conheça mais sobre o criador do Sítio do Picapau Amarelo e sua importância para a história do Vale do Paraíba

YASMIN CASTRO (Arquivo Pessoal)

Escrito por Yasmim dos Santos Castro

04 MAI 2021 - 15H12

Foto: Reprodução/O Tempo monteiro lobato (Foto: Reprodução/O Tempo)

Breve biografia

Nascido no dia 18 de abril de 1882, José Bento Monteiro Lobato morou até os 13 anos na cidade de Taubaté (SP), onde nasceu, e depois se mudou para São Paulo, e lá cursou faculdade de Direito. Por um tempo, escreveu para jornais do Rio de Janeiro e São Paulo, até decidir se dedicar inteiramente à literatura.

Monteiro Lobato é um autor do pré-modernismo, um período da literatura caracterizado por um caráter nacionalista e, também, pela diversidade de estilos em função de ser uma transição entre o simbolismo e o modernismo.

Livros e contos

Em suas obras, Lobato representa o contexto socioeconômico da época ao descrever o abandono das cidades vale-paraibanas diante da crise do plantio de café, o que pode ser exemplificado em seu romance “Cidades Mortas”.

Além disso, ele foi o criador do célebre “Jeca Tatu”, um reflexo das mazelas sofridas pelas classes inferiores. Essa personagem foi retratada em duas de suas coletâneas de contos: “Urupês” e “Ideias de Jeca Tatu”.

No entanto, o autor é ainda mais reconhecido por ser o “pai da literatura infantil”, pois com a criação do Sítio do Picapau Amarelo inaugurou-se esse universo da literatura no Brasil.

Nos seus livros infantis, a famosa personagem “Emília”, a boneca de pano falante, assume voz crítica, funcionando como manifestação implícita dos pensamentos do escritor. O conhecimento é personificado nas personagens “Visconde de Sabugosa” e “Dona Benta”, figuras ligadas à ciência e “amantes” dos livros. A “Tia Nastácia”, a empregada do sítio, causa discussões acerca do pensamento racista de Monteiro Lobato, já que a personagem era vítima de apelidos como “negra beiçuda” ou “preta velha”, expressões que, se perpassadas pelos atuais avanços no debate sobre o racismo estrutural, seriam consideradas carregadas de preconceito.

Influência na região vale-paraibana

Suas análises provocam reflexões críticas e atemporais sobre a realidade cultural, social e econômica da região do Vale do Paraíba, na medida em que povoa o imaginário infantil e desconstrói ao mesmo tempo em que molda a identidade do tradicional “caipira”.

Crescer ouvindo as histórias narradas em livros como “Reinações de Narizinho” ou “Caçadas de Pedrinho” é parte da cultura da região. Os livros de Lobato, com as lendas folclóricas e cenários fantasiosos, criam nas crianças suas primeiras “memórias” literárias.

No conto “Urupês”, frases como “Jeca Tatu não é assim, ele está assim” e "O fato mais importante da sua vida é votar no governo. (...) Vota. Não sabe em quem, mas vota. Esfrega a pena no livro eleitoral, arabescando o aranhol de gatafunhos e que chama 'sua graça'', demonstram críticas sobre o governo e o descaso diante da população.

   Ademais, o linguajar “jeca”, “caipira”, “caboclo” foi extremamente empregado em seus livros e, hoje, é nítido no vocabulário da região vale-paraibana.

Foto: Reprodução/Uol
Foto: Reprodução/Uol


Escrito por
YASMIN CASTRO (Arquivo Pessoal)
Yasmim dos Santos Castro

2º ano do Ensino Médio - Colégio Embraer Juarez Wanderley - São José dos Campos.

2 Comentários

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Exclusivo | Comissão Pré-Julgadora

Boleto

Carregando ...

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Meon, em Alunos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.