Por Larissa Vidal Em Alunos Atualizada em 25 MAI 2021 - 15H53

Poema: Wind

"Vento"

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução


Quanto a luz que atravessa e brilha escura

Com sua variável prospecção

Toda a essência que habita se esgota

E se perde de antemão


Entre os vidros esfumados

Quem é de fora não o vê

Ama gerar pés amarrados

Para em suma gritar e se


E se eu fora mais ingrato

E se a liberdade eu tivera

E se eu não fosse amargurado

E se a esperança me espera?


Tudo no final se constrói apenas em delírios

Em dores e silêncios esquecidos

Como os vales se contornam pelas pedras

E eu respiro em densa atmosfera


Os segredos de uma vida

Eu prometi não revelar

E assim com o que me resta

Esse longo breve fardo carregar


Com supervisão de Giovana Colela, jornalista do Meon Jovem.

Escrito por
Captura de Tela 2021-04-06 às 12.31.46
Larissa Vidal

Colégio Embraer Juarez Wanderley - 3º ano do Ensino Médio

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Exclusivo | Comissão Pré-Julgadora

Boleto

Carregando ...

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Meon, em Alunos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.