Por Júlia Umbelino Vieira Em Alunos Atualizada em 25 MAI 2021 - 11H00

Resenha: Cartas de amor aos mortos

Dica de leitura, gênero romance

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução


Após um trabalho na aula de inglês, Laurel deveria escrever uma carta para alguém que já morreu, e o que deveria ser apenas uma tarefa, se tornou seu refúgio. Laurel encheu seu caderno com cartas para pessoas como Kurt Cobain, Amy Winehouse, Janis Joplin e muitos outros, todos com uma história difícil. Ao mesmo tempo em que ela contou as histórias deles, também contou a dela.

Laurel havia acabado de mudar de escola, depois de sua vida se tornar uma bagunça. Com a morte de sua irmã e a separação de seus pais, ela morava com sua tia, uma mulher rígida e religiosa.

Nas cartas ela expressava os sentimentos que jamais conseguira dizer a alguém; toda a raiva, culpa e tristeza que ela guardava dentro de si. Enquanto luta nesta jornada de perdoar May e a si mesma, a personagem nos conquista com cada carta, cada palavra e sensação enquanto lemos.

Uma garota tímida e inocente aprendendo a viver no mundo sem a irmã para protegê-la. Escola nova, amigos novos e seu primeiro amor, Sky. Laurel tem de enfrentar tudo isso enquanto descobre mais sobre quem era May quando não estava com ela; ainda linda e encantadora, mas inconsequente e excepcional.

O progresso e a proximidade dela com os destinatários que aumenta a cada carta é algo emocionante de se acompanhar. A intensidade e verdade contida em cada palavra faz com que a leitura seja leve e nos deixe com gosto de “quero mais. Passamos a entender seu universo e ver o mundo através de seus olhos, vemos a tristeza se dissipando e a culpa parando de corroê-la, aceitamos essa nova fase com ela, com todas as mudanças.

A autora soube como nos deixar próximos de Laurel e partilhar as emoções. Uma adolescente conhecendo a dor, o vazio e o amor. Não há uma carta que não tenha me tocado de alguma forma ou que não valha a pena ser lida.

[...] “O que falei sobre salvar as pessoas não é verdade. Você pode achar que quer salva por outra pessoa, ou que quer muito salvar alguém. Mas ninguém pode salvar ninguém, não de verdade. Não de si mesmo.[...]”

Com supervisão de Giovana Colela, jornalista do Meon Jovem.

Escrito por
Júlia Umbelino_Ideia
Júlia Umbelino Vieira

9º ano B - Instituto Ideia - São José dos Campos, SP

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Exclusivo | Comissão Pré-Julgadora

Boleto

Carregando ...

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Meon, em Alunos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.