Brasil

Indulto Natalino deixa condenados pelo 8/1 de fora

Texto foi publicado nesta sexta (22)

Escrito por Meon

23 DEZ 2023 - 08H59 (Atualizada em 23 DEZ 2023 - 11H54)

O presidente Lula assinou o decreto que concede indulto de Natal a presos.

+ Leia mais notícias da Brasil

+ Receba as notícias pelo Canal do Meon no WhatsApp: https://whatsapp.com/channel/0029Va4C1AI3wtbCKopZhZ3E

O texto deixou de fora do benefício os cidadãos envolvidos nos atos de 8 de Janeiro e pessoas que praticaram violência contra mulheres.

O texto foi publicado no Diário Oficial da União desta sexta-feira (22). Ficaram de fora também os condenados por crimes hediondos, tortura, crimes ambientais, líderes de facções criminosas, entre outros.

No seu primeiro indulto do terceiro mandato, o presidente ainda voltou com o perdão de multas para condenados que não tenham condições financeiras para arcar com os valores devidos.

O indulto natalino é o perdão coletivo da pena, mas não é dado automaticamente. Após a edição do decreto, quem se encaixa nas regras definidas ingressa na Justiça para ter o benefício efetivamente concedido. É diferente do indulto individual, a chamada graça, que é o perdão da pena que o presidente pode conceder especificamente em favor de uma pessoa condenada.

O indulto natalino também é diferente das saídas temporárias, que ocorrem em datas comemorativas específicas, tais como Natal, Páscoa e Dia das Mães, para confraternização e visita aos familiares.

Nesses casos, os juízes das Varas de Execução Penal editam uma portaria que disciplina os critérios para concessão do benefício e as condições impostas aos apenados, como o retorno ao estabelecimento prisional no dia e hora determinados.

Veja quem foi beneficiado pelo indulto

Condenadas a pena não superior a oito anos, por crime praticado sem violência ou grave ameaça;

Condenadas a pena superior a oito anos e não superior a 12 anos, por crime praticado sem violência ou grave

ameaça, que tenham cumprido, até 25 de dezembro de 2023, um terço da pena;

Condenadas a pena superior a oito anos, por crime praticado sem violência ou grave ameaça que tenham completado 60 anos e cumprido um terço da pena;

Condenadas a pena por crime praticado sem violência ou grave ameaça, que tenham completado 70 anos e cumprido um quarto da pena;

Condenadas a pena por crime praticado sem violência ou grave ameaça, que tenham cumprido, ininterruptamente 15 anos da pena;

Mulheres condenadas a pena superior a oito anos, por crime praticado sem violência ou grave ameaça, que tenham filho ou filha menor de 18 anos, ou, de qualquer idade, com doença crônica grave ou deficiência e que tenham cumprido um quarto da pena;

Mulheres condenadas a pena não superior a oito anos, por crime praticado sem violência ou grave ameaça, que tenham filho ou filha menor de 18 anos, ou, de qualquer idade, com doença crônica grave ou com deficiência e que tenham cumprido um quinto da pena;

Mulheres condenadas a pena não superior a 12 anos, por crime praticado sem violência ou grave ameaça, desde que tenham cumprido um terço da pena; e

Condenadas a pena de multa, aplicada isolada ou cumulativamente, desde que não supere o valor mínimo para o ajuizamento de execuções fiscais de débitos com a Fazenda Nacional, ou que não tenham capacidade econômica de quitá-la.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Meon, em Brasil

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.

Carregando ...