Por Conteúdo Estadão Em Mundo

EUA e Alemanha reforçam parceria para lidar com desafios, citando Rússia e China

Os Estados Unidos e a Alemanha reforçaram hoje os laços da parceria transatlântica, tendo em vista enfrentar "desafios" globais de forma coordenada, incluindo os colocados pela Rússia e a China. Em comunicado emitido pelo governo americano após reunião da chanceler alemã, Angela Merkel, e do secretário de Estado americano, Anthony Blinken, foi indicado que ambos "enfatizaram a importância de uma abordagem comum" em tais temas.

Em Berlim, Blinken "destacou a oposição contínua dos EUA ao gasoduto Nord Stream 2" e incentivou a Alemanha a tomar medidas "concretas para reduzir os riscos" que a obra representa para a Ucrânia e a segurança energética europeia, segundo o comunicado. Além disso, ambos discutiram a retomada após a crise da covid-19, além das ameaças climáticas, de acordo com o documento.

Em coletiva de imprensa antes do encontro, Merkel afirmou que "temos sido capazes de encontrar uma base comum para enfrentar os desafios geoestratégicos do mundo, não apenas identificá-los, mas realmente chegar a um acordo sobre uma abordagem comum para esses problemas", o que seria verdade para Rússia e China, de acordo com a chanceler. A alemã elogiou ainda encontros bilaterais entre a atual gestão americana e representantes de Moscou e Pequim.

"Diante de todas as polêmicas no mundo, acho justo dizer que precisamos manter canais de diálogo abertos, nos quais possamos explicar nossas posições e abordagens e, em seguida, buscar possíveis corredores para a solução desses problemas", afirmou Merkel.

Na ocasião, Blinken indicou que "temos a responsabilidade, especialmente neste momento, de demonstrar o que as democracias podem entregar na vida de nosso povo e entregar para as pessoas ao redor do mundo".

A viagem do secretário pela Europa contará com passagens por Alemanha, França e Itália. A próxima parada é Paris, onde Blinken tem encontro marcado com o presidente francês, Emmanuel Macron, o ministro das Relações Exteriores do país, Jean-Yves Le Drian, e com Mathias Cormann, novo secretário-geral da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que tem sede na capital francesa. Entre os temas desta reunião, a adoção de um imposto mínimo corporativo global.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Carregando ...

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Conteúdo Estadão, em Mundo

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.