ubs_buquirinha_arquivo_pessoal_morador_7

Telhado de um das áreas da UBS do Buquirinha, zona norte de São José

Arquivo Pessoal

Moradores da zona norte de São José dos Campos reclamam do estado precário da UBS (Unidade Básica de Saúde) do Buquirinha. O prédio do posto de saúde está com problemas de infiltração de água de chuva no telhado, piso danificado, mofo em paredes e problemas na rampa de acesso para cadeirantes.

“Outro dia, há menos de dois meses, o médico teve que me atender no corredor de tanta goteira que tinha na sala dele. Não dá pra continuar desse jeito, a situação está horrível. Falta de respeito com os profissionais que trabalham lá e com os moradores da zona rural, que dependem desta UBS”, disse a instrutora de artesanato Fernanda Tavares de Jesus Martins, de 39 anos. Ela afirma que o problema de goteiras ocorre na sala do médico e da enfermagem.

Fernanda mora no bairro Taquari e tem três filhos --de 19, 14 e 8 anos, que também utilizam a UBS. A unidade é frequentada por moradores do Freitas, Buquirinha 1 e 2, Vera Cruz e Costinha, entre outros bairros. Ela disse que  já registrou pedido de reforma e manutenção da UBS no 156, telefone de atendimento ao cidadão da prefeitura, mas nada foi feito até o momento.

Leia Também

“A rampa foi feita de um jeito que não dá para os cadeirantes utilizarem. Está toda errada, muito inclinada e estreita, não segue a largura padrão de acessibilidade. A pessoa precisa sair do estacionamento e dar a volta na rua, porque não consegue passar na rampa”, afirmou. Além disso, a vegetação que fica na área verde em frente ao posto está sem poda e invade a rampa e corredores de acesso ao posto.

A assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde de São José informou que a equipe de manutenção irá ao local na próxima semana para verificar as condições do prédio. Segundo a pasta, a UBS do Buquirinha é uma das unidades incluídas no pacote de reformas e melhorias previstas para 2018.

“A Prefeitura prevê para o ano que vem a reforma e a implantação do programa UBS Resolve em mais 20 unidades da rede. Ao final do governo, todas as 40 unidades serão reformadas e passarão a trabalhar dentro deste modelo”, diz a nota enviada pela secretaria.