Alunos

Vandalismo ou arte?

Embora divida opiniões, a pichação é responsável por exprimir vozes locais através de recados e símbolos, empregados nos muros dos grandes centros urbanos

Kaun Lopes (Arquivo Pessoal)

Escrito por Kauan Mendonça Lopes

13 MAI 2021 - 11H34

Foto: Reprodução piche no muro (Foto: Reprodução)

Desde outrora, o fenômeno da pichação é presente nas mais diversas passagens históricas, expressamente notável em uma linhagem do tempo, datada por simbologias e rabiscos nas cavernas, passando pela idade média, intercalando o período de guerras mundiais até a contemporaneidade em que é reconfigurada seu conceito e mostrada ainda mais viva como valor cultural. Tomando-se de exemplo a capital brasileira, São Paulo, uma breve passagem pela metrópole irá mostrar sua abundância de recados, assinaturas e símbolos transcritos sobre paredes de concreto, realizados por grupos sociais, em grande parte pertencentes a juventude, os quais se dedicam a espalhar a tinta de seus sprays conforme maneira de expressão individual e coletiva.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

É importante reafirmar que a cultura da pichação atual diz respeito a uma classe oprimida pelas mazelas e desigualdades, não tendo qualquer relação com movimentos elitistas que focam em uma arte refinada. Além de frases escritas em muros e paredes, o ato de pichar significa símbolos de resistência a qualquer tipo de extremismo, dando voz à minoria calada por não ter seu espaço adequado na sociedade estruturada.

A esta matéria não cabe discutir se as pichações e grafites espalhadas pelo mundo afora são sinônimos de vandalismo ou não, mas tem como pretensão levar ao leitor uma reflexão aberta e acompanhada do pensamento livre de sensos comuns sobre o assunto. Concordando ou não, existe uma precisão encarregada de unir ambos pensamentos antagônicos: o efeito de resistir e concretizar momentos pela tinta da latinha de spray, a qual deixa de ser marcada pela simplicidade ao passo que é totalmente complexada em seu uso. Não obstante, a visibilidade do picho carrega consigo valores internacionais, sendo ela empregada dentro de vários países ocidentais e orientais, contudo aportando o mesmo peso cultural, conforme citado pelo ato de exprimir vozes silenciadas. Tais vozes que representam a periferia, a cultura de rua, o povo propriamente dito por sustentar toda cadeia produtiva e que, para não serem meramente esquecidos, criam por si próprios a necessidade de deixarem suas marcas seja elas quais forem, no caso tratado, das simbologias e críticas rabiscadas pelo urbanismo.

Também não cabe fazer uma análise das projeções urbanas sem tratar da estética local, circunstância que adentra a pichação e o grafite tanto nas vielas sem iluminação quanto nos prédios e móveis públicos. A precisão do elemento visual incorporado no ambiente da cidade destaca sua luz interior e, consequentemente, dá vida ao concreto ‘’sem graça’’.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

A imagem demonstra o atual Muro de Berlim, localizado na Alemanha, que apresenta grafites e pichações em seus blocos.

Com supervisão de Giovana Colela, jornalista do Meon Jovem.

Escrito por
Kaun Lopes (Arquivo Pessoal)
Kauan Mendonça Lopes

2º ano do Ensino Médio - Colégio Embraer Juarez Wanderley - São José dos Campos.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Exclusivo | Comissão Pré-Julgadora

Boleto

Carregando ...

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Meon, em Alunos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.