Por Conteúdo Estadão Em Noticias

Pandemia, questão hidrológica e fiscal são riscos para retomada, diz secretário

O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, apontou nesta terça-feira que a evolução da pandemia, a questão hidrológica e o quadro fiscal são os riscos principais riscos para a retomada da economia brasileira. Segundo ele, a pandemia deixou choques negativos de longo prazo, com destaque para a educação de jovens e a saúde das famílias.

"Os choques de capital humano decorrentes da pandemia terão que ser endereçados, assim como o endividamento das famílias, empresas e do governo", acrescentou Sachsida.

Ele enfatizou que a melhor política econômica hoje é a vacinação em massa. "Precisamos vacinar rapidamente a população para haver um retorno rápido ao trabalho", repetiu.

O secretário destacou ainda que a economia brasileira está quase retornando ao patamar pré-crise e reafirmou a necessidade de insistir na agenda de reformas e consolidação fiscal.

"Infelizmente, a recuperação de uma crise não ocorre naturalmente, é um desafio de política econômica. Temos que evitar que um choque transitório tenha efeitos permanentes na economia. Por isso precisamos insistir na agenda de consolidação fiscal. Essa é a nossa garantia de que um choque transitório será apenas transitório", reforçou Sachsida.

O Ministério da Economia revisou nesta terça-feira sua projeção para a recuperação da economia em 2021, de alta de 3,20% para 3,50%. Para 2022, a pasta manteve a estimativa de crescimento de 2,50% no Produto Interno Bruto (PIB).

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Carregando ...

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Conteúdo Estadão, em Noticias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.