transito_1

São José registrou o maior aumento da frota de veículos de todo o Estado 

Arquivo/Meon

Com pouco mais de 700 mil moradores, São José dos Campos ultrapassou, em 2017, a marca dos 400 mil veículos no total de sua frota. Os números são do Detran e revelam que, na média, há um veículo para cada 1,6 morador da cidade.

Nos últimos 20 anos a frota teve um crescimento de praticamente 200%. Em 1997, o número de veículos na cidade era de 147 mil veículos. O avanço de São José, ainda de acordo com o Detran, é o maior entre as cidades do interior do Estado neste período.

As estatísticas contemplam todos os tipos de veículos: ciclomotor; motoneta; motocicleta; triciclo; micro-ônibus; camioneta; camionete; utilitários; carros; ônibus; caminhões; reboques; semirreboques e outros.

Sinal de alerta

Para o urbanista Carlos Eugênio Montecarlo, os números devem ser analisados sem euforia. De acordo com o especialista, a escalada de veículos particulares vai na contramão da necessidade de se encontrar formas de difundir o transporte público nos centros urbanos.

Leia Também

O urbanista teme que São José esteja perdendo um “momento histórico” para aprovar projetos mais arrojados para o transporte coletivo na cidade. Ele avalia que, com pouco mais de 700 mil habitantes, São José deveria estar mais avançada nesta área.

“Pior do que saber que a cidade não conta com um transporte rápido, confortável e eficiente para atender as demandas da população é não enxergar uma proposta ousada para avançarmos nesta área”, afirma.

Cidade foi a que mais aumentou a frota de veículos no interior de São Paulo

Montecarlo ainda aponta a cultura do carro como um dos fatores que ajudam a sustentar este panorama.

“Evidente que esta cultura do brasileiro é uma atenuante, já que o carro é um sonho de consumo. Mas acredito que a experiência ruim do transporte coletivo ajuda bastante as pessoas a procurarem um carro ou uma moto”, comenta.

Reflexo nas passagens

Reflexo do aumento da frota de veículos, o esvaziamento do transporte público é um dos motivos apresentados pelas empresas de ônibus para promover aumentos na passagem.

Em São José, de acordo com números da Secretaria de Mobilidade, os ônibus perderam cerca de 1,5 milhão de passageiros em 2017.

“Mais carros e motos na rua significam menos gente nos ônibus. Automaticamente, as passagens ficam mais caras pela perda de passageiros e a coisa vira uma bola de neve. O maior problema, neste e em tantos outros casos, é a falta de vontade política de continuar um projeto de gestões anteriores. Desta forma fica difícil investir em longo prazo para termos um transporte público de mais qualidade”, explica.

Em janeiro deste ano, as três empresas que realizam o transporte de ônibus na cidade enviaram à prefeitura um pedido de aumento da passagem. O pedido mais alto foi feito pela Expresso Maringá, que chegou a uma proposta de R$ 5,46.

Já as empresas CS Brasil e Saes Peña pediram, respectivamente, um aumento para R$ 5,23 e 5,36. Atualmente, a tarifa de ônibus em São José dos Campos custa R$ 4,10.

Procurada, a prefeitura não se manifestou sobre o aumento da frota e as questões relacionadas ao planejamento do transporte urbano.