Alunos

Good vibes, mas não para o planeta

A realidade obscura das pedras que energizam

Daniel Gleidson Gaioso Carvalho

Escrito por Daniel Gleidson Gaioso Carvalho

12 MAI 2022 - 16H46

Skye Torossian/Stocksy United

Os cristais começaram a se popularizar na década de 70, porém, em 2021 se tornou um fenômeno nas redes sociais entre jovens e adolescentes. Os influenciadores do nicho prometem que essas pedras podem trazer diversos benefícios para uma vida melhor, mas esse bem-estar vem com que custo?

A procura por cristais de “cura” só aumenta. Nos EUA a demanda dobrou nos últimos dois anos. No Brasil, a pandemia causou uma alta de 20% na procura, segundo a Bloomberg. Especialistas dizem que a tendência desse mercado ainda é de crescimento.

BAE Inc/Alamy
BAE Inc/Alamy
A Joia e o Show Mineral em Tucson, Arizona em 2014.


Exploração em Madagascar

Sob o solo de Madagascar existe um tesouro: metais e pedras preciosas. A exportação desse ramo é a que mais cresce desde 2017, onde dezenas de milhares de homens invadem áreas ambientais protegidas, ameaçando a floresta tropical do país e espécies que vivem ali.

Tess McClure
Tess McClure
Tavita (esquerda) e Roland, 17 anos, caçando turmalina entre 15 e 20 metros abaixo do solo.


Num país cuja infraestrutura, o capital e a regulamentação do trabalho são escassos. A extração é “artesanal” como preferem dizer algumas marcas, ou seja, movido ao esforço e suor humano, na maior parte das vezes, infantil. Além disso, mais de 80% da matéria é extraída por pequenas famílias e grupos em situação análoga a escravidão, sob o risco de deslizamentos de terras, além de que as rochas quebradas criam poeira fina e partículas que aumentam o risco de câncer no pulmão.

A realidade no Brasil

No Brasil, se tem o mesmo rastro de pobreza e exploração, parte da extração dos cristais é feita em garimpos ilegais e está relacionada a invasões de terras indígenas, condições de trabalho análogas à escravidão e o desmatamento de áreas de proteção ambiental.

Arisson Marinho
Arisson Marinho
Garimpo ilegal de ametista em Sento Sé, Bahia


No ano de 2011 aconteceu a Operação Senzala, em Diamantina. Foram libertadas cerca de 30 pessoas que estavam em situação análogas à escravidão numa mina de exploração de cristal de quartzo. Sem acesso à água potável nem instalações sanitárias, sem treinamento para operar máquinas e trabalhando em jornadas exaustivas sem equipamentos de proteção individual.

Bem-estar, para quem?

A espiritualidade associada a estes minerais não é um problema e é super natural que procuremos refúgios de bem-estar, mas muitas vezes não sabemos o que está por trás do que consumimos. A falta de questionamento das pessoas que dizem trabalhar com expansão de consciência em relação à questão da origem do produto precisa ser refletida.

A geógrafa e ativista ambiental, Lívia Humaire declara “É sustentável usar algo que emprega crianças, que provoca mortes por soterramentos de famílias inteiras, que deixa rastros de destruição e florestas desmatadas, pagando centavos para quem arrisca suas vidas sem opção, com a promessa de que isso gera cura ou benefícios energéticos?”.

Entretanto, os pequenos e grandes negócios têm um pouco mais de obrigação em checar a fonte da mercadoria e alinhar assim a seus princípios. Afinal, ao buscar uma empresa comprometida com a sustentabilidade, a confiança dos clientes aumenta e a marca reside justamente nessa curadoria e já elaborada. Por isso, quando você vai comprar uma pedra mística e energizada é muito importante exigir do comerciante que ele trabalhe com mineradoras de acordo com o comércio justo.

Como exemplo há a cidade de Ametista do Sul, no interior do Rio Grande do Sul, que faz extração de alguns minerais. Nela, há turismo nas áreas de mineração e é possível conhecer o contexto, que neste caso, não é o mesmo de Madagascar e de outros locais explorados.

A narrativa de energização e espiritualidade que circunda os cristais mascara toda uma cadeia de dor e exploração. Se os cristais trazem benefícios terapêuticos, porque não deixá-los intactos na natureza para benefício de todos? Humanos, animais e plantas? Afinal, a quem serve o bem-estar das pedras?

Com supervisão de Yeda Vasconcelos, jornalista do Meon Jovem.





Escrito por
Daniel Gleidson Gaioso Carvalho
Daniel Gleidson Gaioso Carvalho

1ª ano do Ensino Médio - Colégio Embraer Juarez Wanderley - São José dos Campos

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Exclusivo | Comissão Pré-Julgadora

Boleto

Carregando ...

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por Meon, em Alunos

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.